sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Combatendo a resistência


Um profissional


Certa vez, alguém perguntou a Somerset Maugham se ele escrevia segundo um horário ou somente quando lhe vinha a inspiração. ''Escrevo apenas quando a inspiração me vem", respondeu. "Felizmente, ela vem toda manhã às nove horas em ponto."

Isso é ser profissional.

Em termos de Resistência, Maugham dizia: "Eu desprezo a Resistência; não deixo que ela me desconcentre; eu me sento e faço o meu trabalho."

Maugham acreditava em outra verdade mais profunda: que ao realizar o mundano ato físico de sentar-se e começar a trabalhar, ele colocava em movimento uma seqüência misteriosa, mas infalível, de acontecimentos que produziam inspiração, como se a deusa houvesse sincronizado seu relógio com o dele.

Ele sabia que se a incentivasse, ela viria.

(Steven Pressfield)

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Necessidade de Praticar os Ensinamentos de Buda Sem Idéia de Ganho


foto: Genshin


Na prática do Caminho é necessário aceitar os ensinamentos verdadeiros de nossos predecessores, colocando de lado nossas idéias pessoais.

O Caminho não pode ser realizado com a mente ou sem ela. A menos que a mente da prática constante seja uma só com o Caminho, nem o corpo nem a mente conhecerão paz. Quando o corpo e a mente não estão em paz, eles se tornam obstáculos à iluminação.

Como harmonizar a prática constante com o Caminho? Para assim o fazer, a mente não pode estar apegada nem rejeitar nada; necessita estar completamente livre do apego à fama e ao lucro. Ninguém se submete ao treinamento budista para os outros. A mente dos praticantes budistas, como a maioria das pessoas de nossa época, todavia, está longe da compreensão do Caminho. Fazem o que os outros elogiam, mesmo sabendo que é falso. Por outro lado, não praticam o que os outros desdenham, mesmo que saibam ser o verdadeiro Caminho. Quão lamentável!

Reflita tranquilamente se suas palavras e ações estão unidas aos ensinamentos de Buda, ou não. Quem sabe não se envergonhará? Os olhos penetrantes dos Budas Ancestrais incessantemente iluminam todo o universo.

Desde que praticantes budistas não fazem nada para si mesmos, como o poderiam fazer pela fama ou pelo lucro? O Darma de Buda só pode ser praticado pelo Darma de Buda. Não é para impressionar os outros nem para sentir-se bem que os vários Budas demonstram sua profunda compaixão por todos os seres. Assim é a tradição budista. O Darma de Buda pelo Darma de Buda.

Observem como até animais e insetos nutrem seus filhotes, suportando grandes dificuldades, várias adversidades. Os pais não esperam ganhar nada com suas ações, mesmo depois dos filhotes atingirem a maturidade. Embora sejam pequenas criaturas, têm profunda compaixão por seus filhotes.

Assim é a relação da compaixão dos vários Budas por todos os seres. O precioso ensinamento desses vários Budas, todavia, não está limitado somente à sua compaixão: aparecem em incontáveis formas através de todo o universo. Esta é a essência do Darma de Buda.

Nós somos crianças Buda. Por isso seguimos as pegadas dos Budas Ancestrais.

Praticantes! Não pratiquem o Darma de Buda para obter fama ou lucro, nem para obter recompensas ou poderes miraculosos. Simplesmente pratiquem o Darma de Buda pelo Darma de Buda: este é o verdadeiro Caminho.

(Mestre Dogen)

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

SESSHIN


Durante um Sesshin (retiro Zen), temos a oportunidade de vivenciar o silencio. 

Juntos, a Sanga (Comunidade de Praticantes) vivencia o zazen, caminha no mesmo ritmo em Kinhin, recita sutras, faz as refeições e divide as tarefas comunitárias. 

Todas as ações se convertem numa oportunidade de trabalharmos os padrões (apegos e aversões). 

Um só ritmo, interagindo, vivenciando a transformação possível a todos. 

Sejam todos bem vindos!

Dias 17 a 19 de Novembro.

Investimento: R$ 200,00 (para membros do Zendo Brasília)
R$ 280,00 (para não membros) 

O valor inclui Hospedagem e Alimentação

Inscrições pelo email: zendobrasilia100@gmail.com 


Informações: Monja Kakuzen - (61) 998110506



arte: Hugo Pullen

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Sem obstáculos, logo sem medo

     


Vamos nos respeitar nas nossas diferenças. Sem exigir que nos tornemos iguais, que pensemos da mesma forma, que tenhamos a mesma religião e a mesma cultura. Vamos nos respeitar nas diferenças de cor de pele, de culturas, de gêneros, de alegrias, de tristezas, de curas e doenças. 

Unidos estamos pelo ar, pelo céu, pela terra, pela vida e pela morte, pelo sonho, a utopia que se realiza quando corações e mentes se unem no Caminho da Verdade.

(Monja Coen)

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

ZAZEN


Como me livrar das distrações?

- Não dando atenção a elas. Esteja apenas presente no que está acontecendo e use a respiração como referência, a postura física como o fio terra. Quanto mais queremos nos livrar de algo, mais esse algo nos importuna. Deixe as distrações passarem. A atenção que damos a elas é que as tornam importantes.

Sou uma pessoa muito ativa. Acho que não consigo fazer zazen.

- Faça. Perceba quanta atividade há em estar sentado(a) e encontre estabilidade em atividade.

A que horas e por quanto tempo devo me sentar em casa?

- Você terá de escolher um horário adequado. Comece com cinco ou dez minutos. Depois vá aumentando gradativamente. Há pessoas que preferem se sentar ao acordar e outras antes de se deitar. Algumas preferem no meio do dia ou da tarde. Será bom criar um horário diário, em vez de esperar um momento qualquer, quando sentir vontade.

Minha companheira diz que eu sou egoísta, pois prefiro ficar em silêncio a estar com ela. Estou exagerando?

- As pessoas que não praticam zazen podem ter alguma dificuldade em entender o que fazemos sentados em silêncio voltados para uma parede. Se sua companheira não se interessa em sentar-se ao seu lado, procure fazê-lo quando ela não estiver por perto. Ou vá aos poucos mostrando como você fica melhor depois do zazen. Mas lembre-se: é preciso harmonizar sua prática com a vida diária.

Combatendo a resistência

Um profissional Certa vez, alguém perguntou a Somerset Maugham se ele  escrevia segundo um horário ou somente quando lhe vinha a  ins...