terça-feira, 29 de outubro de 2013

Os dez conselhos de Dipa Ma


Foto: Laila Menezes



Dipa Ma (1911-1989) foi uma mulher notável da região de Bengala. Segundo o Wikipedia: “Desde criança mostrou grande interesse pelo Buddhismo e preferia estudar do que brincar.

Diferente de outras garotas da região, ela insistia em ir para a escola, mas com doze ano se casou e foi viver com seu marido em Yangon. Após a morte de seu marido, em 1957, ela passou a praticar vipassana, realizando um notável progresso. Em 1963 ela começou a estudar os siddhis, poderes espirituais. Em 1967, ela se mudou para Calcutá onde ensinou meditação para muitos alunos. Joseph Goldstein, Jack Kornfield e Sharon Salzberg (“Dipa Ma foi a pessoa mais amorosa que já conheci” – Sharon Salzberg), que mais tarde se tornaram proeminentes professores nos EUA, foram apresentados a Dipa Ma em 1970. No começo dos anos 80 ela ensinou no Insight Meditation Society in Barre, Massachusetts”.

Tendo sido aluna de Mahasi Sayadaw, na Birmânia, Dipa Ma foi reconhecida amplamente por sua realização espiritual e poderes supranormais. Ainda assim tinha uma humildade impressionante. Era impossível não se sentir tocado por sua presença, onde metta simplesmente transbordava. Tive a grande fortuna de conhecê-la quando passei algumas semanas em Calcutá, em minha primeira viagem à Índia. Eu não sabia que ela morava em Calcutá, e quando Anagarika Munindra-ji me contou e, ainda mais, disse que eu poderia visitá-la, fiquei sem palavras. Passei uma tarde em sua casa, junto com sua filha, tomando chá e conversando sobre o Dhamma. Ganhei uma maçã de suas mãos, um dos melhores presentes que já recebi.
Aqui traduzo 10 conselhos de Dipa Ma. Impossível se perder se você segui-los:

1.      Escolha uma prática de meditação e se mantenha com ela. Se você quer progresso na meditação fique com uma técnica.
2.      Medite todos os dias. Pratique agora. Não pense que poderá fazer mais depois.
3.      Qualquer situação é trabalhável. Cada um de nós tem enorme poder. Isso pode ser utilizado para ajudar a nós mesmos e os outros.
4.      Pratique a paciência. Paciência é uma das mais importantes virtudes para o desenvolvimento da vigilância e da concentração.
5.      Liberte sua mente. Sua mente é todas as estórias.
6.      Refresque o fogo das emoções. A raiva é um fogo.
7.      Divirta-se no caminho. Sou muito feliz. Se você vier meditar você também será feliz.
8.      Simplifique. Viva de forma simples. Uma vida muito simples é boa para tudo. Muito luxo é um obstáculo para a prática.
9.      Cultive o espírito da bênção. Se você abençoar aqueles à sua volta isso o inspirará a ser zeloso a cada instante.

10.  Esta é uma jornada circular. A meditação integra a pessoa inteiramente.

domingo, 20 de outubro de 2013





Eu sou um sonhador prático. Meus sonhos

não são meramente fantasias vazias. Eu 

quero converter meus sonhos em realidade. 



(Mahatma Gandhi)




segunda-feira, 14 de outubro de 2013

RESPIRE, VOCÊ ESTÁ VIVO!



Santos-SP - Araquém Alcântara


Respire e saiba que está vivo.

Respire e saiba que tudo está ajudando-o.

Respire e saiba que você é o mundo.

Respire e saiba que a flor está respirando também.

Respire por você e respire pelo mundo.

Respire por compaixão e respire de alegria.



Respire e seja um com o ar que respira.

Respire e seja um com o rio que corre.

Respire e seja um com a terra que pisa.

Respire e seja um com o fogo que incandesce.

Respire e quebre o pensamento de nascimento e morte.

Respire e veja que impermanência é a vida.



Respire de alegria por estar firme e calmo.

Respire para sua tristeza sair correndo.

Respire para renovar cada célula do seu corpo.

Respire para renovar as profundezas de sua consciência.

Respire e permaneça no aqui e agora.

Respire e tudo o que você tocar é novo e real.
Annabel Laity




 NHAT HANH, Thich. Respire, você está vivo. Vozes, 2008, p.5

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Palavras de Buda


Primavera no Canadá - Sônia Putini



"Para sobrepujar o desejo, pratique a contemplação do cadáver, olhando profundamente para os nove estágios do decaimento corpóreo, desde o momento em que a respiração cessa até o ponto em que os ossos se transformam em pó.

Para sobrepujar a raiva e o ódio, pratique a contemplação acerca da compaixão. Ela ilumina as causas da raiva e do ódio dentro de nossas mentes e das mentes daqueles assim afetados.

Para sobrepujar o apego e avidez, pratique a contemplação acerca da impermanência, iluminando o nascimento e morte de todas as coisas.

Para sobrepujar a confusão e dispersão, pratique a contemplação sobre a completa consciência da respiração.

Se praticar regularmente estas quatro contemplações, você atingirá a liberação e a iluminação."

(Palavras de Buda - Thich Nhat Hanh - Velho Caminho, Nuvens Brancas - Seguindo as Pegadas do Buda)

Mantra da Compaixão - Guru Ram Das - por Mirabai Ceiba


quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Respiração


Foto: Alice Kohler



"A vida é aquilo que existe entre uma respiração e a próxima. Quem respira pela metade, vive pela metade."

Swami Satyananda Saraswati.

terça-feira, 1 de outubro de 2013



foto: Lou Gaioto
Se o seu objetivo é um milagre, você pode até alcançá-lo, mas para Buda o supremo milagre é você lavar seu prato depois de comer.

Se o seu objetivo é curar o corpo, você pode até atingi-lo, mas para Buda isso pouco adianta sem curar os males da mente: ignorância, cólera e desejos desenfreados.

Se o seu objetivo é arranjar emprego ou melhorar sua situação financeira, você pode até consegui-lo, mas Buda fala sobre desapego – não renuncia - em relação aos bens materiais.

Se o seu objetivo é adquirir poderes sobrenaturais, você pode até adquiri-lo, mas para Buda o maior poder sobrenatural é o triunfo sobre o egoísmo.

Se o seu objetivo é triunfar sobre seus inimigos, você pode até construí-lo, mas para Buda o único triunfo que conta é do homem sobre si mesmo.

Se o seu objetivo é massagear o ego com poder, fama, elogios e outras vantagens, você pode até ter essa satisfação, mas Buda esvazia os egos inflados.

Se o seu objetivo é ter as falhas perdoadas, deixando-o livre para errar de novo, você pode até se aproveitar disso, mas Buda lhe ensina a implacável Lei de Causa e Efeito e a necessidade de uma autocrítica consciente e profunda.

Se o seu objetivo é buscar respostas cômodas e fáceis para indagações existenciais, você pode até encontrar usufruto, mas Buda revela a verdade sobre você mesmo.

Se o seu objetivo é seguir cegamente uma crença, não é este o caminho, pois Buda   nos ensina a pensar com a nossa própria cabeça.

Se você só quer ser sério e austero, não procure o budismo, pois Buda vai ensiná-lo a brincar e divertir mas se você só quer brincar e divertir, também não procure o budismo pois Buda o ensinará a ser sério e austero.

Extraído do “Desfazendo Equívocos” da Reverenda Yvonette Gonçalves



Sesshin em Brasília

Arte: Hugo Pullen